Time: 3:10
Polícia

Polícia (1581)

Companhia vai funciona no Horto do Fonseca e conta com 60 homens. Foto Maurício GilBase vai atuar em várias comunidades da Zona Norte e vai contar inicialmente com 60 homens. Pezão defendeu uma PEC sobre o direito federativo da constituição estadual

A Companhia Destacada da Zona Norte de Niterói foi inaugurada na manhã de ontem, a base da Polícia Militar vai funcionar em um dos prédios do Horto do Fonseca e contará inicialmente com 60 homens, que vão patrulhar as ruas e as comunidades de toda a região.

 

Participaram do evento o governador Luiz Fernando Pezão, o secretário de segurança pública José Marino Beltrame; o comandante geral da PM, o coronel José Luís Castro Menezes, o prefeito Rodrigo Neves; Paulo Henrique Azevedo de Moraes, chefe do Estado-Maior Operacional da PM e o chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso.

 

Durante a cerimônia de abertura, o governador Luiz Fernando Pezão lembrou que as ações de segurança da cidade foram articuladas rapidamente. E destacou a importância da parceria entre os poderes estadual e municipal na instalação das Cias. Ele também defendeu o endurecimento das penalidades a bandidos que estejam envolvidos em assassinatos e ataques contra policiais em serviço.

 

“Em oito dias conseguimos apresentar planos concretos para a segurança de Niterói. O prefeito me solicitou o apoio e articulamos essas medidas. Ao mesmo tempo em que isso acontece, estamos investindo na melhoria da condição de trabalho do policial. Temos que debater o Código Penal do Estado. Esse ano foram 26 policiais mortos em confrontos. Não podemos deixar nossos agentes virarem alvo de ação criminosa”, pontuou.

 

No mesmo tom do governados, o secretário de segurança púbica, José Mariano Beltrame, também defendeu uma possível mudança no código penal para aumentar a punição dos criminosos em localidade em processo de pacificação. O principal pedido de Beltrame foi o envio direto para presídios federais de para quem cometer esse tipo de crime, onde o isolamento do preso é maior.

 

“Os policiais estão sendo alvo dos traficantes em regiões com UPP. O tráfico está sendo sufocado, eles perderam milhões com a venda de entorpecentes. O bandido que matar um policial, vou pedir a transferência para presídio na hora”, falou incisivamente.

O prefeito de Niterói Rodrigo Neves lembrou dos recentes episódios de violência e garantiu que vai continuar cobrando das autoridades de Segurança Pública, mas ao mesmo tempo dando apoio, nas ações de segurança em Niterói. Saindo da base do Fonseca, o prefeito seguiu direto para o Morro do Cavalão, para acompanhar as obras da sede da Cia Destacada que atua no local.

 

“Niterói viveu nas últimas semanas um surto de violência no Caramujo, Chácara e Cavalão. Isso impactou diretamente na sensação de segurança dos niteroienses. Vamos continuar trabalhando e atuando contra a violência. Paralelo a essas ações, os programas sociais e serviços também irão ser implementados”, afirmou.

 

Revisão penal – Momentos após a cerimônia de inauguração da Cia do Fonseca, o governador Luiz Fernando Pezão pediu ao deputado federal Sergio Zveiter (PSD/RJ) para que ele possa construir uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) junto à legislação Penal do Estado do Rio. A ideia é se valer do direito federativo que confere poder em escolhas de determinados pontos da constituição estadual, como acontece nos Estados Unidos da América.

 

De acordo com Zveiter, já foi articulado uma reunião com o secretário Beltrame e o chefe da polícia civil, Fernando Veloso para semana que vem, onde será discutido o que será apresentado no texto final.

 

“Já estou estudando a Constituição para saber quais são os pontos que podemos tocar sem ferir a carta magna. Iremos conversar e detalhar quais são as questões de necessidade para o Estado. Após esse processo, vou me reunir com a bancada dos deputadas federais do Rio de Janeiro, para pedir apoio nesse ponto”, disse.


O Fluminense

JOVEM DE 17 ANOS FOI ESTUPRADA POR 15 HOMENS EM SÃO GONÇALO

O crime chocou até policiais da Divisão de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG) pela crueldade como foi cometido. A adolescente Laryssa Andrade, de 17 anos, foi torturada, estuprada e assassinada com nove tiros na noite do dia 21 de abril, no bairro Jardim Miriambi, em São Gonçalo. A jovem, que possui deficiência mental, foi sequestrada enquanto seguia para a casa da madrinha no Morro Buraco do Boi, em Niterói, quando foi vista pelos criminosos. Ela foi morta porque traficantes do local acreditaram que a jovem seria de uma facção rival. 


O exame cadavérico apontou que Laryssa foi abusada sexualmente por 15 homens. Três deles já foram identificados e presos no início da manhã de ontem. Leandro Freitas da Silva, Wanderson Machado Barcelos Ramos da Silva, ambos de 18 anos, e Fabiano Ribeiro de Matos, de 23, foram detidos após operação desencadeada pela Divisão de Homicídios.


Policiais foram até a casa dos três acusados por volta de 5 horas na Favela do Bichinho, no Sacramento. Eles foram encontrados enquanto dormiam, não ofereceram resistência, mas negam envolvimento no crime. De acordo com Wellington Vieira, delegado da especializada, o crime foi cometido de forma brutal, já que além de estuprada a vítima ainda foi espancada e teve parte de seus cabelos arrancados. Ele garantiu que Laryssa não tinha envolvimento com tráfico de drogas.


“A menina era deficiente mental, ela mal sabia o que fazia ali. Ela apenas passavam pela rua e foi pega por eles. O crime foi cometido com muita brutalidade apenas porque eles achavam que ela era de uma facção rival. Uma testemunha viu a menina sendo amordaçada”, disse.


Os acusados responderão por homicídio triplamente qualificado e estupro de vulnerável. A pena está estimada 50 anos de reclusão. Mais dois suspeitos foram identificados. Wanderson é acusado também de ter estuprado uma criança de sete anos, que seria seu primo. A informação ainda é investigada pela polícia.

A Tribuna

Alexandre Magalhães, 42 anos de idade, foi encontrado morto dentro de sua casa no Condomínio Serramar, no Recanto de Itaipuaçu, ontem, quando os vizihos chamaram os bombeiros devido ao forto mal cheiro que exalava da casa na Rua Araxá. Segundo a Polícia Militar, o corpo estava em estado de decomposição e localizado no segundo andar da casa de nº 114.
A delegacia de Maricá (82ªDP) vai investigar o caso, pois o corpo estava nú e em divesos comôdos havia marcas de sangue.

Ontem foram feitos os últimos reparos na Companhia Destacada do Fonseca, na zona norte de Niterói. Os móveis foram colocados a área foi limpa para receber os 60 policiais militares enviados pela Secretaria de Segurança do Estado. Os agentes entraram oficialmente nesta madrugada. Na manhã de ontem o local foi vistoriado pelo subsecretário de Obras, Vicente Marins, e pelo comandante do 12º BPM (Niterói), Gilson Chagas. Eles foram recepcionados pelo secretário regional da zona norte, Leonardo Reis. A PM estuda agora a implantação de uma base destacada na Lagoinha, no Caramujo, que ficaria vinculado à Cia Destacada do Fonseca.


“Já está tudo pronto e hoje (ontem) fizemos apenas os últimos ajustes como a colocação dos móveis e a limpeza do espaço. Os policiais entram, oficialmente, nesta madrugada. Já separamos um espaço para as viaturas, mas elas passarão maior parte do tempo na rua em patrulhamento”, disse Vicente Marins.


Em seus 280 metros quadrados a Companhia do Fonseca é composta por oito salas, dois banheiros (feminino e masculino), sala de reunião, refeitório e área de descanso. Para Leonardo Reis, o destacamento irá contribuir para aumentar a sensação de segurança na região do Fonseca.


“Teremos uma melhora na segurança nesta área. O Rio de Janeiro, infelizmente, sofre com a violência e isso atingiu Niterói”, disse.


O comandante do 12º BPM (Niterói) também visitou o terreno onde será instalada uma base da Polícia Militar na Favela da Lagoinha, Complexo do Caramujo. A ideia é implementar um ponto de apoio na região e posteriormente fazer mudanças no Destacamento de Policiamento Ostensivo (DPO) do bairro.


“Já temos um local que achamos ser estratégico para a segurança da região. Vamos agora iniciar conversa com a prefeitura para a construção desta base”, disse o comandante Chagas.

A Tribuna

A Polícia Militar intensificou as ações de combate à criminalidade na zona norte de Niterói. Ontem, diversas ações foram deflagradas, entre elas, blitzes nos principais corredores viários do Fonseca. A medida visa dificultar o deslocamento de criminosos e inibir roubos a veículos e pedestres. Motos com documentação irregular foram apreendidas. Não houve registro de presos.

O comandante do 12º BPM (Niterói), Gilson Chagas, acompanhou as ações realizadas na Avenida Professor João Brasil e Rua Carlos Maximiano, e contou que estas operações irão ser mais frequentes.


“Montamos blitzes em diversos pontos da cidade, escolhidos com base na mancha criminal, e acontecem de forma simultânea. Nosso objetivo é combater furtos e roubos de veículos, além do transporte de drogas. A iniciativa ajuda na redução da criminalidade”, falou. 


Chagas também ressaltou que não há um ponto determinado na cidade que receba atenção especial. Ele acredita que o crime é migratório e as ações que hoje estão na zona norte podem ser alteradas conforme a analise criminológica do dia.


“Não posso dizer que o Caramujo é o local mais problemático. Quando cheguei aqui os morros da zona sul estavam com maiores demandas. Neste momento a parte do Fonseca é que está em evidencia, mas analisamos todos os delitos diariamente e deslocamos o policiamento conforme este estudo”, contou.


Além da PM, todas as delegacias de Polícia Civil em Niterói (76ª, 77ª, 78ª, 79ª e 81ª DPs) realizam a operação “Repressão Qualificada”, que consiste em uma ronda com blitzes em toda a cidade. A operação será feita todos os dias, sempre à noite e visa auxiliar o 12º BPM no policiamento ostensivo no município.

Pelo menos 18 ônibus foram incendiados esse ano, durante violentas manifestações ocorridas no Rio e em Niterói. Os atos de vandalismo agora preocupam o substituto do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, Luiz Fernando Pezão. Em menos de um mês no cargo, Pezão enfrentou ao menos 10 protestos violentos, em bairros periféricos e até áreas beneficiadas com Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), como o Complexo do Alemão e o Morro Pavão-Pavãozinho. O número é quase quatro vezes maior do que os cinco registrados em 2013, segundo dados da Rio Ônibus.


Moradores disseram que na maioria das vezes protestavam contra a violência policial. Em outros casos, a polícia se pronunciou oficialmente dizendo que os moradores teriam sido incitados por ordens de traficantes. “Não há recuo no processo de pacificação, que vem retomando territórios, dominados durante muitos anos por bandidos. Não vamos tolerar baderna, atos de vandalismo, destruição de patrimônio. Aqueles que cometerem esses atos serão submetidos ao rigor da lei”, disse Pezão.


Entre as violentas manifestações, com ônibus incendiados, foi registrada a do bairro do Caramujo, na zona norte de Niterói, quando duas pessoas morreram. Em operação policial no Morro do Céu, um jovem foi atropelado por um blindado e morreu. O caso foi registrado como acidente de trânsito e provocou a ira de moradores. No Morro do Caramujo, que fica a poucos metros da Rodovia Amaral Peixoto, manifestantes impediram a passagem de veículos com barricadas. Horas antes, dois irmãos que iam para uma vigília de Páscoa foram baleados durante um confronto entre a policiais militares, que reprimiam um baile funk, e traficante. Um dos jovens, que saía de uma vigília de Páscoa, morreu atingido na cabeça. Um novo ato quase fechou as ruas no dia 21, quando dois traficantes, Bruno Piná e 2D, foram presos em Búzios, acusados entre outros crimes de organizarem os atos de depredação.

A Tribuna

Em reunião da Câmara dos Vereadores de São Gonçalo, autoridades debateram como melhorar a segurança na cidade. Foto: Maurício GilA Polícia Militar vai abrir concurso para 6 mil novos policiais ainda no primeiro semestre deste ano. Além disso, entre os dias 15 e 20 de julho, o 7º BPM (São Gonçalo) receberá um aumento no efetivo com 250 homens. O anúncio do concurso foi feito, ontem, pelo comandante-geral da PM, coronel Luiz Castro, durante reunião na Câmara de Vereadores de São Gonçalo, ontem. Já o ganho de efetivo para o município foi confirmado pelo governador Luiz Fernando Pezão, que está despachando na cidade desde segunda-feira.

“Nós estamos formando mais policiais. Acredito que entre 15 e 20 de julho nós estaremos disponibilizando mais 250 policiais militares só para São Gonçalo”, disse Pezão.

 

Na reunião, que aconteceu ontem na Câmara de Vereadores de São Gonçalo, compareceram diversas autoridades da segurança pública, como o coronel Luiz Castro, o comandante do 7º BPM, o tenente-coronel Carlos Eduardo Sarmento, o diretor do Departamento Geral de Polícia do Interior, delegado José Renato Magnani Chernicharo, o titular da Divisão de Homicídios (DHNISG) de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo, delegado Wellington Vieira, além de juízes, vereadores, deputados estaduais, secretários municipais e representantes da OAB.

 

“São Gonçalo era um lugar tranquilo e não é mais. Nós perdemos a segurança de andar nas ruas. É uma cidade que só cresceu em importância e teve uma baixa significativa no efetivo. Precisamos de mais policiais nas ruas da nossa cidade. O policiamento intensivo é a solução para nos devolver a tranquilidade”, disse o presidente da Comissão de Segurança da Câmara, vereador Maciel.

 

Pedidos – A solicitação por maior efetivo e melhoria na segurança foi grande entre os vereadores. Quem também compareceu ao encontro foi a deputada estadual Graça Matos, que lamentou o fim dos Destacamentos de Policiamento Ostensivo (DPOs) e pediu mais atenção para a educação e políticas sociais.

 

“Não adianta apenas entrarmos com o policiamento se não conseguirmos também avançar no social. Precisamos formar cidadãos com perspectiva de futuro, isso refletirá no aumento da segurança. Claro que a presença do policial aumenta a segurança das pessoas”, ressaltou.

 

O coronel Luiz Castro recordou a perda no efetivo do 7º BPM, que atende a cidade, e disse que um novo plano de segurança para a região será implementado visando combater a imigração de bandidos de comunidades do Rio.

“Vamos reforçar a segurança em São Gonçalo e Niterói em virtude da possível migração de bandidos, por conta do policiamento extensivo que estamos realizando na capital. Vamos elaborar um plano e começaremos a implantá-lo agora. Também abriremos um novo concurso para a PM com 6 mil vagas”, adiantou.

 

Debate – Na parte da tarde, o prefeito de São Gonçalo, Neilton Mulim, comandou, no auditório da Secretaria de Segurança Pública da cidade, uma discussão sobre melhorias para combater o aumento da violência no município. O prefeito garantiu que o encontro visa a integração entre os setores dos governos municipal estadual para melhorar o setor de Segurança Pública na cidade.

 

“O governo do estado tem um entendimento que precisamos aumentar o efetivo, devido a migração de marginais vindos da capital para a Região Metropolitana. Estamos buscando reforços também junto ao Governo Federal. Neste momento, é um grande clamor da população melhorias no setor de segurança”, garantiu.

 

No encontro, ficou marcado um próximo debate para o dia 27 de maio, também no auditório da Secretaria de Segurança Pública, para traçar um Plano de Segurança Pública para a cidade.

 

Pezão percorre comunidades que precisam de ajuda

 

O governador Luiz Fernando Pezão conheceu ontem a comunidade do Gato, no Gradim, em São Gonçalo, onde pretende realizar obras de drenagem e pavimentação. A situação precária de moradia da população na região foi evidenciada pelo governador, que disse que já está procurando uma área no entorno para a construção de casas populares em parceria com o Governo Federal através do programa “Minha casa, minha vida” para os moradores do local. Em seu segundo dia despachando da cidade, Pezão elencou a segurança e a pavimentação como as maiores solicitações dos gonçalenses.

 

“Não conhecia a região do Gradim. As lideranças, os deputados, vereadores, as associações de moradores que recebi me pediram para que visitasse o lugar e conhecesse de perto todos os problemas da região. E nada melhor do que visualizar os problemas. Vi as condições em que as pessoas moram para assumir o compromisso de tentar resolver esta situação. Aqui precisa de drenagem e pavimentação. É muito triste conhecer de perto como as pessoas conseguem morar sem um mínimo de saneamento.

Quando eu vejo um quadro deste eu não me conformo e lutarei insistentemente para mudar esse quadro. Já estou procurando a área onde a gente pode construir unidades habitacionais do “Minha casa, minha vida”. Mas nessas condições que as pessoas estão vivendo não podemos deixar”, disse Pezão após a sua caminhada pela comunidade do gato, no bairro do Gradim.

 

O governador também falou do segundo dia do Gabinete Itinerante instalado em São Gonçalo. Para ele, a experiência foi produtiva para o governo. Pezão ressaltou que a iniciativa possibilitou conhecer de perto os problemas da cidade e elencou as solicitações que mais ouviu dos moradores. A segurança e a expansão do programa “Bairro Novo” no município encabeçam as demandas da população. A falta de água, segundo ele, ainda persiste em algumas áreas e medidas serão anunciadas em breve.

 

“Está sendo muito produtivo o gabinete em São Gonçalo. É o segundo dia e ainda estamos aprendendo, mas estou gostando. Dentre as solicitações que eu mais ouvi estão as do “Bairro Novo”, que as pessoas pedem para que seja levado para onde moram. Também existem algumas reclamações referentes à Cedae, mas muito menores do que no início do governo devido aos grandes investimentos que fizemos por aqui. Ainda tem algumas comunidades sem água, mas a gente já tem uma previsão de atendimento. Outra reclamação foi referente à segurança pública. Eu expliquei muito para os moradores, porque foi um erro de comunicação nossa, pois tudo o que está sendo feito em Niterói a gente também está fazendo em São Gonçalo. Já temos companhias destacadas aqui. Além dos investimentos na Delegacia de Homicídios, que é para Niterói, São Gonçalo e Itaboraí e em viaturas novas, que enviamos para São Gonçalo”, destacou.


O FLUMINENSE

CANGALHA DE BALÃO DESTRÓI CASAS E CARROS EM SÃO GONÇALO

Na madrugada de ontem quatro famílias passaram literalmente um pesadelo quando uma cangalha de fogos de um balão caiu e atingiu quatro casas e dois carros. O incidente aconteceu na Rua Vanda de Souza Ramos, no Galo Branco, em São Gonçalo, e o caso foi registrado na 72ª DP (Mutuá).


Segundo informações de moradores, por volta da 0h20min um enorme barulho de fogos acordou boa parte da rua e alastrou uma destruição. 
“Parecia que estava acontecendo um tiroteio dentro do meu quintal. Acordei muito assustado e demorei um tempo para entender o que estava acontecendo. Foi um pânico na minha casa”, comentou o técnico em segurança eletrônica, Marcos Fernando, de 26 anos. O homem teve parte da casa destruída. Os vidros das janelas da residência e do carro ficaram estilhaçados. A lataria do veículo ficou amassada por conta do impacto das bombas. “Meu carro não tem seguro e vou ter que arcar com o prejuízo sozinho por conta da imprudência de outras pessoas”, completou.
Outro carro, modelo Palio prata, teve perda total, pois além das vidraças quebradas teve a parte elétrica danificada após incêndio. 


As casas atingidas tiveram as estruturas danificadas, paredes racharam, azulejos soltaram e até parte de um muro de uma das garagens desabou. 


Tamanho estrago resultou em duas pessoas feridas. O auxiliar administrativo Ezequiel Lopes, de 30 anos, teve ferimentos leves no rosto, próximo da orelha e o pintor industrial Silas Barbosa, de 43 anos, teve cortes grandes nas pernas, onde levou quatro pontos. Marcos Fernando prestou socorro ao vizinho e o levou para o Hospital Estadual Alberto Torres junto com outros moradores. 


“Ligamos para o Corpo de Bombeiros para socorrer os feridos e eles não prestaram assistência. Tivemos que pegar carros emprestados para levar as pessoas para o hospital”, ressaltou.


Segundo moradores, o balão, de grande porte, foi visto perto do campo de futebol da localidade, na altura de uma pedreira. A cangalha possuía grande quantidade de fogos, em sua maioria artesanais, e até mesmo cocos cheios de pólvora estavam pendurados na estrutura, o que pode justificar o tamanho do estrago das explosões.

Crime
De acordo com a Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro (SEA), a prática de soltura de balões é crime previsto no artigo 41 de Lei de Crimes Ambientais nº 9.605/98, causa acidentes graves nas florestas e é um risco constante aos moradores. No último dia 23, no distrito de Inoã, em Maricá, o Comando de Polícia Ambiental estourou uma fábrica clandestina de balões. No local, os policiais encontraram maçarico, farta quantidade de papel, três botijões e várias buchas, além de seis balões de grande porte, sendo um deles com mais de 20 metros de comprimento e outro com 17 metros. No local, a equipe prendeu Márcio do Nascimento Marins, de 26 anos. Ele foi conduzido para a 82ª DP (Maricá), onde responderá por crime ambiental. Em janeiro deste ano, um incêndio destruiu 28 mil metros quadrados de vegetação nativa, o equivalente a 10% da mata do Parque Estadual da Serra da Tiririca, entre Niterói e Maricá. Segundo a polícia, o fogo foi provocado por um balão de aproximadamente dez metros de altura.

Campanha e recompensa
No último dia 15, a Secretaria de Estado do Ambiente lançou campanha de conscientização sobre os problemas que os balões podem causar. Neste ano, foi criado um disque denúncia exclusivo para crimes ambientais. De acordo com o coronel José Maurício Padrone, coordenador de Combate a Crimes Ambientais da secretaria, também será oferecida, pela primeira vez, recompensa em dinheiro.


“Este ano está havendo incentivo, por meio do oferecimento de recompensa em dinheiro, para quem fornecer denúncias que levem à apreensão de balões ou identificação de baloeiros”. A recompensa vai variar de R$ 300 a R$ 2 mil.


No ano passado, foram registradas 252 denúncias desse tipo de crime, menos do que em 2012, quando houve 375 registros. De acordo com Padrone, a maioria das denúncias leva aos baloeiros e a expectativa é que este ano o número aumente, por causa do prêmio. Para o coronel, a população, em geral, tem consciência dos problemas que os balões podem causar. O número do Linha Verde funciona é 0300 253-1177, e pode receber denúncias de todo o estado do Rio de Janeiro.

O comandante Geral da Polícia Militar, coronel Luis Castro, anunciou aumento do efetivo em 250 policiais e mais 100 viaturas para o batalhão de São Gonçalo. A novidade foi apresentada na tarde de ontem, durante reunião no auditório da secretaria de Segurança Pública da cidade, que discutiu melhorias para combater o aumento da violência no município. No mesmo encontro, o prefeito Neilton Mulim mostrou-se preocupado com a situação devido a migração dos criminosos da capital. Entretanto, este efetivo só deverá chegar à cidade no último trimestre de 2014.


“O governo do estado tem um entendimento de que precisamos aumentar o efetivo, devido a migração de marginais vindos da capital para a Região Metropolitana. Estamos buscando reforços também junto ao Governo federal. Neste momento é um grande clamor da população por melhorias no setor de segurança”, garantiu Neilton.


A situação de São Gonçalo com o aumento da criminalidade, para o deputado estadual José Luiz Nanci, é reflexo da falta de investimento. Na parte da manhã, um outro encontro aconteceu na Câmara dos Vereadores, quando delegados, o comandante do 7º BPM, coronel Sarmento, juízes, vereadores, deputados estaduais, secretários municipais e representantes da OAB também discutiram a questão da segurança na região. 


“São Gonçalo é um dos municípios que mais sofrem com a violência atualmente. Desde 2011, venho solicitando investimento em segurança pública ao Governo do Estado. E não somente aqui (São Gonçalo), mas também em outros municípios vizinhos, como Niterói, Maricá e Itaboraí. Fiz solicitações diretas ao governador para a reativação dos DPOs (Destacamento de Policiamento Ostensivo) que se encontram desativados, assim como a criação de novos nos bairros Vila Lage e Brasilândia, em São Gonçalo. Além disso, também pleiteei aumento nos efetivos dos batalhões de Polícia Militar de Niterói (12º), São Gonçalo (7º) e Itaboraí (35º), o que foi atendido. Recebemos algumas novas viaturas e mais pessoal, mas ainda falta mais investimento. Eu mesmo fui vítima de um sequestro relâmpago há dois meses. Como deputado, busco melhores soluções para a segurança de todos nós”, disse Nanci. 


O vereador Jorge Mariola questionou a ausência de personagens importantes da cúpula de segurança pública.


“Estava previsto a presença do secretário de Segurança, mas ele não veio. São Gonçalo está abandonado e a prova disso é o descaso com a 75ª DP (Rio do Ouro). Para se ter uma ideia, nesta distrital, os policiais trabalham com uma máquina de escrever de aproximadamente 40 anos”, disse.


Ficou marcado um próximo debate para o dia 27 de maio, também no auditório da secretaria de Segurança Pública. “Neste próximo encontro vamos traçar um Plano de Segurança Pública para a cidade, de forma integrada e preventiva, com a participação de todos os governos”, conclui o prefeito.

A Tribuna

Quatro veículos do Bope foram vistos ontem na Alameda, seguindo para a região do Complexo do Caramujo. Foto: Júlio Silva

Não foi registrado nenhum confronto, apreensão de drogas e nem prisões no primeiro dia de funcionamento da Companhia Destacada do Cavalão, em Icaraí, zona sul de Niterói. O destacamento está abrigado no antigo Grupamento de Policiamento de Áreas Especiais (Gpae). A instalação da Companhia faz parte da promessa da Secretaria de Segurança do Estado de instalar mais duas unidades de policiamento em Niterói, cidade que tem sofrido com confrontos entre criminosos nas últimas semanas e com assaltos constantes. 


Na Companhia haverá um espaço reservado, no primeiro andar, para a realização de ações sociais e um Centro de Juventude, que funcionará com atividades culturais, educativas e profissionalizantes para jovens. O objetivo da Prefeitura de Niterói, responsável pela obra, é instalar essas atividades até o fim do mês de maio. Na parte superior funciona a Companhia Destacada.
Para o capitão da 5ª Companhia, Augusto Wagner, o patrulhamento será intensificado na localidade com a chegada dos 40 agentes e a meta é garantir uma sensação de segurança para quem mora no alto da comunidade e nos bairros vizinhos. Ele afirmou que não precisou desencadear operação para a implantação do destacamento. Wagner disse ainda que trabalhará junto com a população para garantir a paz no local. 


“Vamos trabalhar com a proximidade na comunidade. Atualmente temos um problema com mototaxistas aqui no Cavalão. Meu objetivo não é impedir que eles trabalhem, mas precisarão estar dentro da lei. Trabalhando com capacete, habilitação e tudo certo”, disse.


As obras para abrigar melhor os policiais deverão no próximo dia 2 de maio. O valor não foi calculado.

A tribuna

Pagina 8 de 113
Dados colhidos a partir de 17/10/2011